Foi-se o tempo em que os homens colocavam aquela camiseta surrada e um short velho para ficar em casa. O Setor de Inteligência Setorial do Sebrae divulgou, em janeiro deste ano, um estudo mostrando que o mercado de underwear masculina está em plena expansão no Brasil.

Entre os dados da pesquisa, existe um especificamente que surpreende: dentre os 1.110 entrevistados, a média de gastos em moda íntima dos homens foi maior que o das mulheres. O público masculino gasta em torno de R$ 115, enquanto o público feminino fica na média de R$ 93,20.

“De algum tempo para cá virou tendência mostrar o cós da underwear masculina aparecendo sob o cós da calça ou da bermuda. Então, valorizou-se ter uma peça interessante para mostrar”, explica Dante Grassi, diretor de marketing da Joe Boxer para a América, marca de cuecas comercializada pela Renner.

Além disto, os homens têm buscado peças mais confortáveis, sem costura, e que se adaptem a uma rotina corrida. Os modelos em 100% algodão e microfibra ficam entre os prediletos, pois permitem que a pele respire.

Dica!

 

Certo!

Boxer é sempre aposta certa, não tem quem não ache atraente. O modelo se adapta bem a qualquer estilo de homem.

Dica!

 

Certo!

Os modelos estampados têm, sim, agradado. Mostra um homem mais moderno e descontraído. E quem não gosta de um cara divertido?

Dica!

 

Errado!

Cueca à mostra tem sua sensualidade, contanto que não dê para vê-la totalmente. Se a ideia é deixar a parceira usar a imaginação, neste caso, não há mais necessidade.

Dica!

 

Errado!

A não ser que você trabalhe no corpo de bombeiros, a cueca vermelha não é unanimidade.

Millenial Underwear

Uma das tendências em moda íntima masculina começou impulsionada pelos millennials, geração nascida nos meados dos anos 1990. As marcas que antes apostavam apenas em peças básicas e modelos comuns, como as boxers em preto e branco, hoje, apostam também em peças coloridas e ousadas. Estampas de games, junk food e personagens estão entre as prediletas.

De acordo com Dante Grassi, esta é uma tendência não apenas para roupa íntima, tanto que expandiram o portfólio nacional e além dos modelos de cuecas, samba-canção e boxer, agora apostam também nos pijamas. “Não só o público millennial, mas o consumidor, em geral, está mais preocupado com o conteúdo que a moda pode oferecer. Não só o design, por exemplo, mas a mensagem que a marca está passando é o que mais importa”, afirma.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Insira seu nome