10 curiosidades sobre Alien, de 1979, e Alien: Covenant

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Em 1979, o aclamado diretor Ridley Scott  levou aos cinemas o que se tornaria um clássico do sci-fi, do suspense e do terror: Alien: o Oitavo Passageiro.

Ao longo das décadas que seguiram, o monstro do espaço retornaria em diversos outros filmes, muito menos quistos pela crítica especializada e pelos fãs em comparação ao orginal. Quem não se lembra, por exemplo, do infame Alien vs Predador, de 2004?

Em 2012, porém, chegou aos cinemas Prometheus, o primeiro de uma série de três filmes prólogos à história do longa original. Scott reassume a direção deste filme cercado de expectativas… não correspondidas.

Como em Hollywood as franquias nunca chegam ao fim, Scott retorna, neste ano, para o segundo dos três filmes prometidos: Alien: Covenant.

O novo longa acompanha a chegada da nave Covenant a um novo planeta a ser povoado por colonos. Lá, os tripulantes encontram o androide David (Michael Fassbender, de Assassins Creed), um dos sobreviventes dos eventos do filme Prometheus . Juntos, eles precisam encontrar um modo de fugir daquele falso paraíso repleto de xenomorfos assassinos.

Um filme para fãs, o novo Alien promete reviver o clima tenso e o terror do clássico de 1979. Katherine Waterson (de Animais Fantásticos e Onde Habitam) no papel de Daniels dá vislumbres de uma personagem feminina forte, como foi com Sigourney Weaver e sua inesquecível Ripley no primeiro longa.

Se você quer descobrir se o filme atende à toda essa expectativa, venha conferi-lo no UCI Cinema do Anália Franco.

Que tal se preparar para o novo filme e rememorar Alien, de 1979, com algumas das curiosidades dos seus bastidores?

1. Yaphet Kotto procurava irritar Sigourney Weaver de propósito

O ator que interpretou Parker, engenheiro da nave, acatou um pedido do Ridley Scott para que ele procurasse tirar a Weaver do sério. O objetivo era criar um clima de tensão e inimizade entre os dois e reproduzi-lo em cena. Apesar de gostar da companheira de set, Kotto acabou obedecendo simular essa briga nos bastidores.

2. O ator que interpretou o Alien tinha mais de dois metros de altura

Sim! Nos idos de 1979 ainda não tínhamos a tecnologia para fazer um monstro em animação digital. Por isso, o ator Bolaji Badejo usava um traje para interpretar o xenomorfo. Ele tinha 2,16 metros de alturas e braços finos, o que lhe fez ganhar o papel.

Ainda havia dois outros “aliens” no set: um traje para ser usado por dublês e um boneco em tamanho real.

3. Os ovos do Alien foram feitos de material orgânico de verdade

O diretor Ridley Scott utilizou corações, estômagos e intestinos de animais como bois e ovelhas para deixar os ovos gigantes bem realistas. Nojento.

Esse “esmero” no visual rendeu ao filme o Oscar de Melhores Efeitos Visuais, em 1980.

4. Maryl Streep quase interpretou Ripley

A atriz era uma das opções favoritas de Ridley Scott para interpretar a protagonista, mas o papel ficou mesmo com Sigourney Weaver. Asu duas foram colegas de classe nos tempos  de faculdade. Já imaginou como seria o filme com Streep no papel?

5. O Alien quase não aparece no filme

Ao todo, no longa de 1979, o xenomorfo aparece por, apenas, 4 minutos. E o espectador só o vê pela primeira vez na metade do filme.

6. O nascimento do Alien pegou os atores de surpresa

As reações de choque dos atores em cena são genuínas. Embora eles soubessem o que iria acontecer, não lhes foi o informado o como. Eles não sabiam o quanto de sangue iria jorrar da barriga do personagem Kane (John Kurt) e nem em que direção o sangue seria jorrado. Por isso das caras e bocas quando tudo isso acontece!

8. Alias, Ridley Scott queria mesmo deixar os atores assustados

Outro método que Scott usou para alcançar esse objetivo, por exemplo, foi assegurar que o ator Bolaji Badejo — o homem por trás da roupa de Alien — não interagisse com o resto do elenco sob nenhuma circunstância. Quando o elenco o viu devidamente fantasiado, não associaram o monstro ao ator que o dá vida, tendo, assim, expressões mais genuínas de medo.

9. Ridley Scott odiou Alien 3

Em um primeiro momento, o diretor se recusou a assistir o filme de 1992. Ele somente o conferiu décadas depois, e o odiou tanto ao ponto de resolver voltar a dirigir filmes da franquia. Foi assim que nasceu, então, a nova trilogia.

10. O título Alien: Covenant não foi a primeira opção

Antes de chegar ao termo covenant — em português, pacto, acordo ou promessa –, o título sugerido foi Alien: Paradise Lost, ou Alien: Paraíso Perdido, em tradução livre. Ambas as opções de títulos têm inspirações bíblicas.

Compartilhar.

Sobre o autor

Redação Anália

Moda, lazer, variedades e tudo sobre o Anália.

Deixe uma resposta