Parar. Respirar. Sentir as articulações e o ar preenchendo o corpo. Esses são alguns dos princípios de vários tipos de Yoga, método milenar de origem indiana que une posturas corporais, meditação e exercícios de respiração.

Entretanto, não é apenas isso, a professora de Yoga Carla Asevedo explica que a prática vai além: “existem muitas maneiras de fazer a modalidade, eu brinco com meus filhos que o yoga é dar bom-dia paro o guarda que fica na guarita da rua, é tratar bem a funcionária que trabalha na sua casa e não apenas ficar de ponta-cabeça com o dedão na orelha”.

Carla pratica a modalidade há 18 anos e há quatro se licenciou como professora. Anteriormente, era decoradora de interiores e após um problema sério de saúde repensou a vida, “pensei comigo, se eu morresse naquele dia, o que levaria? Nada, apenas pessoas bravas comigo, porque um gesso quebrou ou por conta de um vazamento na obra, não era aquilo que eu queria”, relembra. Hoje, seu estilo de vida mudou para a melhor e a educadora espera, que por meio da prática, ajude a mudar o de mais pessoas.

No entanto, é possível encontrar diversas vertentes da Yoga, e de uma única prática abre-se um leque com diferentes formas de realizar a modalidade. Já imaginou fazer posturas invertidas com o suporte de um tecido preso ao teto? Ou então realizar posturas aéreas com o apoio de um companheiro ou companheira?

Fly Yoga

O método utiliza o tecido preso ao teto como apoio para realizar posturas de yoga. Durante a prática é possível variar movimentos no solo, com o apoio do tecido e algumas posturas invertidas, aquelas de ponta-cabeça.

A vantagem aqui é diminuir o impacto que a Yoga convencional possui. Ao realizar um movimento de ponta-cabeça, a coluna se descomprime e dá espaço para que não haja a pressão na região vertebral. Um aluno com hérnia na lombar ou cervical, por exemplo, não poderia realizar certos movimentos no solo por conta do atrito entre uma vértebra e outra, porém com o corpo suspenso e descomprimido, ganha espaço para se movimentar. “O tecido traz um apoio e deixa as pessoas a fazerem invertidas incríveis, que talvez nem com 15 anos de prática se conseguiria fazer, então é uma maneira segura de praticar”, explica Carla.

 

Os benefícios para o corpo e mente

“Aqui se respira, começando com uma meditação, pois o yoga é uma meditação ativa. É parar por uma hora e desligar o celular, e o mais importante, estar presente e respirar”, conta Carla. A professora explica, ainda, que aprendendo a respirar corretamente, a oxigenação dos órgãos ocorre de maneira melhor. “O yoga conecta o seu corpo físico com o seu corpo energético para com seu corpo mental.”

Outros benefícios são a ativação da musculatura, força e a consciência corporal. Carla conta que as pessoas não habitam o próprio corpo: “Eu estou falando e a pessoa está pensando nas compras do mercado. Entender o corpo é compreender que é possível respirar no quadril, é entender onde estão as suas costelas, que você só respira no peito e não oxigena os órgãos”.

Contraindicações

Apesar da modalidade ser acessível, há algumas contraindicações. Aquelas pessoas com pressão baixa ou alta, com glaucoma ou com histórico de glaucoma na família, não devem praticar com muita intensidade. Mulheres grávidas podem fazer a prática, porém a aula é a mesma para os iniciantes, os movimentos são adaptados e as posições invertidas perdem a frequência. Pessoas com cirurgia recente também não devem praticar o módulo por no mínimo três a quatro meses. Carla conta que indivíduos com labirintite e sinusite devem evitar a prática durante crises alérgicas.

 

 

Acro Yoga

Quem busca uma atividade física divertida e, de certa forma, performática, o Acro Yoga é uma boa escolha. A modalidade integra elementos da Yoga, como controle da respiração, disciplina e postura, com acrobacias e pode ser praticada em duplas ou grupos de mais pessoas.

Durante uma aula, as duplas são formadas e uma terceira pessoa, chamada de anjo ou elemento assistente, faz a segurança da dupla durante o desenvolvimento dos exercícios e sequências. Os três indivíduos são chamados de base, elemento voador e anjo e trocam as funções entre si durante uma aula.

A terapeuta psico-corporal e educadora física Elaine define a diferença entre o Yoga convencional e o Acro Yoga: Interatividade. “A yoga é um trabalho de desenvolvimento pessoal, a acro yoga é inter-relacionamento. A pessoa que vai fazer precisa estar disposta a se relacionar com outras pessoas, por outro lado a yoga é mais introspectiva, um desenvolvimento pessoal”, explica.

 

 

Os benefícios

Entre os benefícios para o corpo, Elaine cita o desenvolvimento da força, flexibilidade, equilíbrio e resistência. Por outro lado, a concentração, comunicação, espírito de equipe e confiança também são valores que agregam à prática. A autoestima também ganha pontos, ainda que quase inconscientemente.

A educadora conta que muitas pessoas não buscam a prática por conta disso, mas enxerga uma melhora significativa e imediata da autoestima dos alunos. Para ela, a pessoa acaba superando dificuldades. “A acro yoga é muito visual, quem pratica se encanta com a estética do movimento e a capacidade que elas têm de fazer coisas que não imaginavam”.

Yoga em casal?

Como a modalidade é feita em dupla, muitos casais procuram a prática para realizá-la juntos. A educadora física explica que o principal benefício é a confiança: “ela tem que confiar nele e ele precisa que confiar nela. As pessoas que estão juntas não necessariamente estarão conectadas, e na acro yoga elas precisam de total conexão e sintonia para que a entrega aconteça.”

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Insira seu nome