Nunca é demais lembrar. Segundo especialistas, o desenvolvimento psicológico, social e cognitivo dos nossos pequenos depende, e muito, das diferentes fases da infância, do estímulo das brincadeiras presenciais e corporais.

Mas estes momentos de diversão também são muito importantes para os pais: neles, tem-se a valiosa oportunidade de conhecer melhor os filhos e criar vínculos duradouros. “Dentro dessa fantasia tudo é tão rico que você acaba automaticamente descobrindo coisas novas sobre seu próprio filho: medos, fraquezas, dúvidas, angústias e alegrias. E são descobertas que surpreendem”, afirma a psicopedagoga Denise Garcia Schmitt.

Patrícia Camargo é mãe de Henrique (6), de Sofia (5) e de Larissa (4). Junto à Patrícia Marinho, ela assina o blog Tempo Junto, com dicas de brincadeiras e jogos para estimular as crianças, além de tutoriais para construir brinquedos artesanais e outras invenções muito eficazes em instigar o universo lúdico em cada um de nós.

A convite da revista Anália, a blogueira nos deu oito sugestões de atividades para brincar com os pequenos de diferentes faixas etárias. Em tempos de Pokémon Go e tantos outros apps, também é muito bom balancear o digital com o presencial e propor jogos bem mais low tech.

Até 2 anos

Nesta fase da infância, as crianças têm a inteligência corporal mais aguçada. Elas entendem o mundo por meio dos sentidos sensoriais e suas habilidades motoras. É quando começam a aprender o lugar do seu corpo em relação aos objetos externos a eles. Logo, gostam de agarrar, puxar ou jogar ao chão tudo que está ao alcance da mão.

Dicas de Brincadeiras

Quadro sensorial: Use a base de um papelão para colar pedacinhos de materiais de texturas diferentes como lã, espuma e veludo. O brinquedo vai proporcionar ao bebê uma série de descobertas táteis.

Gruda-brinquedo: Cole com fita crepe os bichinhos e brinquedos preferidos da criança em uma parede lisa. Se já engatinha,  cole em uma altura que ela alcance sentada, mas, se já sabe andar, cole em uma altura que ela alcance de pé. Ela irá fazer de tudo para agarrar os brinquedos.

Entre 3 e 6 anos

Já nesta fase, a criança passa a aprimorar o seu brincar simbólico. A criança desta idade depende muito da ação do corpo para receber e compreender o mundo, mas o pensamento abstrato começa a ser desenvolvido por meio de imagens e representações simbólicas. Você perceberá isto com as primeiras brincadeiras de faz de conta.

Dicas de Brincadeiras

Teatro de sombras: Inventar personagens de cartolina e projetá-los na parede com um foco de luz pode render um teatro de sombras cheio de histórias criativas e malucas.

Labirinto manual: Na tampa de uma caixa de sapatos ou até de pizza é possível criar um labirinto com ponto de partida e chegada usando canudinhos. O desafio do pequeno será encontrar o caminho e guiar a bolinha até a saída apenas movimentando a tampa.

Artesanato: Estimule-os a criar bonecos, caixinhas, colares, cartões e quadrinhos com as próprias mãos. Dá para brincar com diferentes materiais, cores, texturas e, quem sabe, descobrir novos talentos.

Entre 7 a 11 anos

Entre os 6 e 7 anos inicia-se a idade escolar da criança, isto é, ela adentra no primeiro ano do ensino fundamental. Com isso, começa-se a desenvolver o pensamento lógico que ajuda a interpretar suas experiências de maneira menos intuitiva. Entretanto, a importância do agir corporal e do vínculo com outras pessoas continua sendo de suma importância — alias, é assim na vida toda.

Dicas de brincadeiras

Jogos verbais: Pode ser uma minicompetição de perguntas e respostas, uma rodada de ‘stop’ em família ou um desafio de charadas.

Caça ao tesouro: Quanto mais amadurecida a criança se torna, é possível aumentar mais a dificuldade das pistas e criar enigmas divertidos a serem solucionados em grupo, com os irmãos ou amigos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Insira seu nome