No último post, eu contei um pouquinho para vocês sobre a história dos perfumes e como começou toda essa paixão milenar pelas fragrâncias.

E não faltam opções, existem fragrâncias de todo o tipo: cítricas, florais, amadeiradas, aquáticas, frutadas, ou seja, para todos os gostos e personalidades.

Mas quando compramos um perfume, qual nossa principal preocupação? Gastar o mínimo daquelas “borrifadinhas” e fazer com que elas durem o maior tempo possível! Até porque, vamos combinar que o valor de alguns perfumes faz com que a gente pense em usá-los somente em ocasiões especiais.

Mas calma, não você precisa economizar tanto assim. Os perfumes já contêm ótimos fixadores. Mas para garantir a fixação, separamos alguma dicas para que a fragrância dure por mais tempo.

1. Guardar em local apropriado

O ideal é manter sua fragrância longe da luz. Dessa forma, ela não perde o poder de fixação. Coloque dentro de um armário ou uma caixinha, por exemplo.

2. Use hidratante neutro antes do perfume

O hidratante ajuda a pele a segurar a fragrância por mais tempo.

3. Borrife em locais específicos

As áreas mais quentes do corpo são mais indicadas para aplicar o perfume. O calor auxilia a difundir a fragrância e segurar por mais tempo. Entre elas estão os pulsos, pescoço e nuca.

Uma curiosidade: você já entrou em alguma loja com uma essência forte ou ficou ao lado de uma pessoa muito perfumada e, conforme o tempo foi passando, já achava que o aroma não estava mais tão forte assim?

Quando somos expostos a um determinado cheiro por muito tempo, passamos a não senti-lo mais. Isto chama-se Acomodação Olfativa. Ao usar um perfume por muito tempo, é provável que você não sinta mais seu próprio perfume, porém as demais pessoas sim.

Para não correr o risco de exagerar, continue usando a mesma quantidade de quando comprou a fragrância. Mesmo que você ache que não está sentindo, acredite, as outras pessoas estão!

Essas dicas foram úteis para você? Então deixe seu comentário e acompanhe o Blog do Anália!

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Escreva seu comentário
Insira seu nome